LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS
Questão 92 - Caderno 2 Amarela

Gerente – Boa tarde. Em que eu posso ajudá-lo?
Cliente – Estou interessado em financiamento para compra de veículo.
Gerente – Nós dispomos de várias modalidades de crédito. O senhor é nosso cliente?
Cliente – Sou Júlio César Fontoura, também sou funcionário do banco.
Gerente – Julinho, é você, cara? Aqui é a Helena! Cê ta em Brasília? Pensei que você inda tivesse na agência de Uberlândia! Passa aqui pra gente conversar com calma.

 

BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna. São Paulo: Parábola, 2004 (adaptado).

 

Na representação escrita da conversa telefônica entre a gerente do banco e o cliente, observa-se que a maneira de falar da gerente foi alterada de repente devido:

A. à adequação de sua fala à conversa com um amigo, caracterizada pela informalidade.

 

B. à iniciativa do cliente em se apresentar como funcionário do banco.

 

C. ao fato de ambos terem nascido em Uberlândia (Minas Gerais).

 

D. à intimidade forçada pelo cliente ao fornecer seu nome completo.

 

E. ao seu interesse profissional em financiar o veículo de Júlio.

Resolução Educandus

É bastante evidente, no diálogo transcrito, a passagem do registro formal para o informal, quando o interlocutor da gerente se identifica. Há situações em que a relação entre os interlocutores é mais informal ou pessoal, casos em que fica mais adequado o emprego de uma linguagem informal. Índices de informalidade: você (por senhor), cara, cê (você), tivesse (estivesse) etc.

 

Resposta: A

Confira aqui a aula desenvolvida pela Educandus que aborda este assunto.